Desaparecida

Desaparecer, talvez por uma semana ou mais, não só para saber quem irá sentir minha falta, mas nesse período realmente saber a diferença das pessoas em minha vida, ou a diferença que faço na vida delas, me acostumei a banalizar qualquer tipo de sentimento saudoso e pensar que tudo tem volta.

Sobre a minha musicalidade egocêntrica

Vi no blog julho agridoce

1. Você tem uma banda preferida? Qual? 

The Strokes:  indie – 1998 – NY.

Los Hermanos: rock alternativo – 1997 – Rio de Janeiro.

2. Qual seu cantor ou cantora preferida?

Cássia Eller: (10/12/62 – 29/12/01) brasileiríssima.

3. Uma música que defina sua personalidade:

Felicidade – Marcelo Jeneci

4. Uma música que te faça sentir viajante:

 Lisbela – Los Hermanos 

5. Uma música que te deixe melancólico:

Hoje a noite não tem luar – Renato Russo.

6. Quas são suas 8 trilhas sonoras preferidas?

(500) Days of Summer, A Clockwork Orange, As melhores coisas do mundo, Paraísos Artificiais, Pink Floyd The Wall, Scott Pilgrim vs. the World, Somos Tão Jovens e When You’re Strange. (Percebi que realmente não entendo de trilhas sonoras.)

7. Um compositor que você admire:

Rodrigo Amarante.

8. Coloque aqui imagens de 6 capas de CD que você goste e, ao mesmo tempo, ache as mais bonitas:

grimes renato suckit

VENTURAjenecishakes

9. Onde você mais gosta de ouvir música?

No ônibus, no chuveiro, no quarto, no parque e no coração.

10. Qual foi a última música que você ouviu?

Cássia Eller – No Recreio

Poliamor, democratização do afeto

1184957_519049728171969_1844017609_n

“O meu amor é seu amor também por ele o meu amor por ela. O dele por você e o meu por ela ele e eu você ela.” Poliamor? Suruba? Poligamia? Não sei, só sei que foi assim! (Brincadeira!). Você já parou para pensar que podemos amar mais de uma pessoa e sermos feliz assim? Afinal, que impôs esse padrão de que devemos amar, namorar, pegar e ficar com uma pessoa só?

Sim amor é essência, é  o que nos move diariamente, o que nos faz querer viver e sermos felizes, do mesmo modo que você ama vários amigos e parentes, é possível amar mais de uma pessoa ao mesmo tempo e manter relações intimas e etc, vivendo assim mais feliz. É possível se apaixonar por múltiplas qualidades em diferentes pessoas, sentir diferentes sensações com cada uma delas, então por que guardar esse belo sentimento?

Não pretendo generalizar, dizer que todo mundo deve amar a todos, mas sim aceitar a condição do amor, aceitar que o amor é importante e que não é preciso seguir padrões de nossa sociedade, liberte-se e sinta que a vida é melhor assim, vivendo do seu jeito e como você escolher.

” Buscam, artistas, atores que são, razões e implicações metafísicas, políticas, para o amor revolução – o movimento sem dogmas que está em silenciosa expansão. Um caminho sem volta, acreditam, “um ajuste dos tempos”, na boa conclusão de Bela sobre o que está por dentro da amoreba. Um atraso cultural. Uma solução para um paradigma falido de amor, casamento e monogamia. Um desejo de criação coletiva, de transformação social e espiritual, que se arrasta há gerações e que ganhou uma estética mais clara e exuberante com o movimento hippie.” – Muito amor para dar

Namore uma garota que lê (não é assim tão fácil assim)

Namore uma garota que gasta seu dinheiro em livros, em vez de roupas. Ela também tem problemas com o espaço do armário, mas é só porque tem livros demais. Namore uma garota que tem uma lista de livros que quer ler e que possui seu cartão de biblioteca desde os doze anos.
Encontre uma garota que lê. Você sabe que ela lê porque ela sempre vai ter um livro não lido na bolsa. Ela é aquela que olha amorosamente para as prateleiras da livraria, a única que surta (ainda que em silêncio) quando encontra o livro que quer. Você está vendo uma garota estranha cheirar as páginas de um livro antigo em um sebo? Essa é a leitora. Nunca resiste a cheirar as páginas, especialmente quando ficaram amarelas.

Ela é a garota que lê enquanto espera em um Café na rua. Se você espiar sua xícara, verá que a espuma do leite ainda flutua por sobre a bebida, porque ela está absorta. Perdida em um mundo criador pelo autor. Sente-se. Se quiser ela pode vê-lo de relance, porque a maior parte das garotas que leem não gostam de ser interrompidas. Pergunte se ela está gostando do livro.

Compre para ela outra xícara de café.
Diga o que realmente pensa sobre o Murakami. Descubra se ela foi além do primeiro capítulo da Irmandade. Entenda que, se ela diz que compreendeu o Ulisses de James Joyce, é só para parecer inteligente. Pergunte se ela gosta ou gostaria de ser a Alice.
É fácil namorar uma garota que lê. Ofereça livros no aniversário dela, no Natal e em comemorações de namoro. Ofereça o dom das palavras na poesia, na música. Ofereça Neruda, Sexton Pound, cummings. Deixe que ela saiba que você entende que as palavras são amor. Entenda que ela sabe a diferença entre os livros e a realidade mas, juro por Deus, ela vai tentar fazer com que a vida se pareça um pouco como seu livro favorito. E se ela conseguir não será por sua causa.

É que ela tem que arriscar, de alguma forma.
Minta. Se ela compreender sintaxe, vai perceber a sua necessidade de mentir. Por trás das palavras existem outras coisas: motivação, valor, nuance, diálogo. E isto nunca será o fim do mundo.

Trate de desiludi-la. Porque uma garota que lê sabe que o fracasso leva sempre ao clímax. Essas  garotas sabem que todas as coisas chegam ao fim.  E que sempre se pode escrever uma continuação. E que você pode começar outra vez e de novo, e continuar a ser o herói. E que na vida é preciso haver um vilão ou dois.

Por que ter medo de tudo o que você não é? As garotas que leem sabem que as pessoas, tal como as personagens, evoluem. Exceto as da série Crepúsculo.

Se você encontrar uma garota que leia, é melhor mantê-la por perto. Quando encontrá-la acordada às duas da manhã, chorando e apertando um livro contra o peito, prepare uma xícara de chá e abrace-a. Você pode perdê-la por um par de horas, mas ela sempre vai voltar para você. E falará como se as personagens do livro fossem reais – até  porque, durante algum tempo, são mesmo.
Você tem de se declarar a ela em um balão de ar quente. Ou durante um show de rock. Ou, casualmente, na próxima vez que ela estiver doente. Ou pelo Skype.
Você vai sorrir tanto que acabará por se perguntar por que é que o seu coração ainda não explodiu e espalhou sangue por todo o peito. Vocês escreverão a história das suas vidas, terão crianças com nomes estranhos e gostos mais estranhos ainda. Ela vai apresentar os seus filhos ao Gato do Chapéu [Cat in the Hat] e a Aslam, talvez no mesmo dia. Vão atravessar juntos os invernos de suas velhices, e ela recitará Keats, num sussurro, enquanto você sacode a neve das botas.

Namore uma garota que lê porque você merece. Merece uma garota que  pode te dar a vida mais colorida que você puder imaginar. Se você só puder oferecer-lhe  monotonia, horas requentadas e propostas meia-boca, então estará melhor sozinho. Mas se quiser o mundo, e outros mundos além, namore uma garota que lê.

Ou, melhor ainda, namore uma garota que escreve.

A Gabriela Ventura do Quinas e cantos teve o maior trabalho em traduzir este belo texto desse blog. ❤

Coisas importantes, coisas plenas

Com o tempo comecei a perceber as melhores coisas, as melhores recompensas de se viver, conclui que o melhor de se contemplar são as coisas que nos deixam felizes, sejam elas grandiosas ou modestas.

O sorriso sincero, o perfume característico daquela pessoa importante, os abraços inesperados, os surtos de alegria, aquela vontade de morder e apertar alguém, as piadas bobas do seu amigo super legal, deitar no colo do seu amor, comer chocolate de panela, abraçar a mãe, tomar café quentinho, e por ai vai, são tantas coisas que me fazem transbordar de alegria e satisfação e me fazem querer aproveitar cada segundo perto das pessoas especiais.

Sorte a minha de querer as coisas mais simples, as que posso sentir todos os dias.